Resenha: Marina

Título: Marina
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Gênero: Romance, mistério, um pouco de terror e aventura.
Páginas: 189
Publicação: 2011
Classificação: ♥♥♥(Muito bom)

Resultado de imagem para marina carlos ruiz zafon

SINOPSE: 

Na Barcelona dos anos 1980, o menino Óscar Drai, um solitário aluno de internato, conhece Marina, uma jovem misteriosa que vive num casarão com o pai idoso. Em passeios pela cidade, os dois presenciam uma cena estranha num cemitério e se envolvem na resolução de um mistério que remonta aos anos 1940. Numa tentativa inútil de escapar da própria memória, Óscar abandona sua cidade. Acreditava que, colocando-se a uma distância segura, as vozes do passado se calariam. Quinze anos mais tarde, ele regressa à cidade para exorcizar seus fantasmas e enfrentar suas lembranças – a macabra aventura que marcou sua juventude, o terror e a loucura que cercaram a história de amor.

Era Barcelona o final da década de 1970… Onde a história de um garoto de um internato e uma menina de palavras na ponta de língua se inicia.
O jovem Óscar Drai entediado com a vida no internato adquiriu um costume de sair todas as tardes ao fim das aulas para contemplar a velha Barcelona, encantando-se com a arquitetura de seus casarões. Certa vez em um de seus passeios, foi aprofundando-se numa viela diferente das que ele conhecera, avistou um desses antigos casarões que estava aparentemente abandonado. Fascinado pelo mistério, apesar do frio na barriga, Óscar decidiu explorar…. Ele fica deslumbrado com o canto que emanava daquela casa, encontrou lá um relógio de bolso e estava o admirando quando se depara com uma presença inesperada… Assustado Óscar correu levando consigo o relógio. Voltou ao internato, passou seus dias perturbado analisando o relógio que por ironia do destino acabou em suas mãos. Algum tempo depois ele reúne coragem necessária e decide voltar à velha casa. No caminho ele encontra uma garota de bicicleta e logo descobre que seu nome é Marina, e o mais surpreendente que ela mora naquela casa assombrosa.


Uma bicicleta emergia lentamente da bruma. Uma menina usando um vestido branco descia a encosta pedalando em sua direção. A contraluz do amanhecer, eu podia adivinhar a silhueta de seu corpo através do algodão. Uma longa cabeleira cor de feno ondeava escondendo o rosto. Fiquei ali, imóvel, contemplando-a enquanto se aproximava, como um imbecil com ataque de paralisia.” Pág 17


Resumidamente ele devolve o relógio ao seu dono, o pai de Marina. E dali em diante começam a cultivar uma amizade que renderia uma história envolvente e trágica.

Óscar passa a visitar Marina periodicamente e com ela começa a descobrir casos secretos que aquela cidade que misturava o novo com o velho tinha a oferecer. Nos passeios de Marina e Óscar eles vão até um antigo cemitério, onde uma mulher coberta por um manto negro visita uma sepultura sem nome, sempre à mesma data, à mesma hora. E decidem segui-la, e deparam-se num lugar macabro cheio de marionetes assassinas, começam então é desenterrar um mistério jamais resolvido pela polícia de Barcelona.

Envolviam um homem inteligente que havia sido um dos mais poderosos de Barcelona em sua época, beirando a loucura… Estava morto? Estava por trás dessa macabra descoberta? Quem era a dama de negro? E em meio a toda essa história que aos poucos iam sendo desvendadas, Marina e Óscar descobrem o amor.

Às vezes, as coisas mais reais só acontecem na imaginação, Óscar – disse ela. – A gente só se lembra do que nunca aconteceu.pág 68

Luna Baker

Anúncios

2 comentários sobre “Resenha: Marina

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s