Crônica: Dias de Sol

Crônica: Dias de sol

Lembro daqueles dias que eu costumava sair da cama para ver o sol… Simplesmente para admirá-lo e sentir o calor em meu corpo, para que toda manhã eu pudesse me sentir vivo.
Lembro daqueles dias que eu fazia questão em me sentir vivo…
Mas o tempo já passou, afinal ele não podia esperar por mim. Nem o tempo e nem você. Agora você já se foi junto ao tempo que passou devagar. Obrigado por aqueles dias, obrigado por ter sido o meu sol.
Mas agora você se escondeu entre as nuvens, onde eu não posso tocar… Onde eu não posso sentir o seu calor para me sentir vivo.

Eu sei que você precisava ir, mas por que tinha que ser tão doloroso?
Você causou uma tempestade chuvosa incessante em meu coração.
Volte, Carolina!
Dê-me aqueles dias de glória!
Dê-me o seu calor!

Resultado de imagem para alguém buscando o sol

Por mais que eu grite, eu sei que você não pode me ouvir e nem atender as súplicas do meu coração.
Agora você é intocável… Agora eu não posso te alcançar, Carolina.

Você lembra, Carolina?
Lembra da nossa promessa?
Por essa promessa, eu vou esperar por você…

É uma pena que você nunca lerá, mas eu ainda que morra amanhã ou depois… Eu continuarei à te esperar.

Obrigado pelos dias de sol!

– Luna Baker

Anúncios

4 comentários sobre “Crônica: Dias de Sol

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s